Autenticação do Usuário
E-mail
Senha
Esqueci minha senha

Ainda não tem seu Perfil Jurid??
Cadastre-se
Jornal Jurid
pesquisa

Quarta Feira, 17 de Setembro de 2014 | ISSN 1980-4288


Telexfree: Justiça nega devolução de verbas a divulgadores

Ações só serão atendidas após rateio coletivo, afirma juíza responsável pelo caso

Fonte | IG - Segunda Feira, 30 de Setembro de 2013





A Justiça do Acre negou 36 pedidos de ressarcimento a divulgadores da Telexfree , como são chamados os associados do negócio suspeito de ser uma pirâmide financeira. As solicitações foram enviadas por 15 juízes de oito Estados. O objetivo é garantir pagamentos antecipados – e maiores – do que os previstos na ação movida pelo Ministério Público do Acre (MP-AC) contra a empresa.


As negativas – reveladas pelo iG na semana passada – foram oficializadas na última sexta-feira (27), com a publicação de despacho de Thaís Khalil , juíza da 2ª Vara Cível de Rio Branco pela liminar (decisão provisória) que bloqueou as atividades da Telexfree há 104 dias.


O MP-AC acusa a Telexfree de ser uma pirâmide financeira sustentada pelas taxas de adesão pagas pelos divulgadores. Eles eram atraídos para o negócio com a promessa de lucrarem com a revenda de pacotes de telefonia VoIP, publicação de anúncios na internet e recrutamento de mais gente para a rede.


Os representantes da Telexfree negam irregularidades, argumentam que o faturamento da empresa vem da venda dos pacotes VoIP e que praticam marketing multinível .


Coletivo primeiro


A juíza Thaís negou os pedidos por entender que isso poderia prejudicar o rateio que o Ministério Público do Acre (MP-AC) quer que seja feito com as verbas da Telexfree e dos donos da empresa, caso eles venham a ser condenados na ação coletiva movida pelos promotores.


Nessa ação, que ainda não tem data para ser jugada, o MP-AC pede que a Telexfree seja obrigada a devolver o investimento feito pelos divulgadores no negócio. O dinheiro que eventualmente sobrar após essa fase será usado para pagar as bonificações prometidas pelas empresa. É provável, porém, que não haja sequer dinheiro suficientes para ressarcir o investimento feito por todos.


Estima-se que o congelamento tenha conseguido alcançar cerca de R$ 600 milhões que estão nas contas da Telexfree e de seus sócios. A empresa tem cerca de 1 milhão de associados no Brasil e segundo o seu diretor, Carlos Costa, deve R$ 230 milhões a um conjunto não especificado deles.


Para tentar se adiantar ao julgamento da ação coletiva e obter valores mais expressivos – além das taxas de adesão pagas, as bonificações prometidas e indenizações por dano moral –, alguns divulgadores têm entrado com processos individuais. No fim de julho, cerca de um mês após o bloqueio, já havia 176 ações em tramitação , nas quais os divulgadores pediam R$ 2,8 milhões.


Alguns conseguiram decisões favoráveis, como um advogado de Rondonópolis (MT) que obteve uma liminar no valor de R$ 101 mil. Nesse caso, a juíza responsável pela ação determinou que o dinheiro fosse transferido para uma conta de Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) ou que o crédito do advogado fosse anotado no processo que corre no Acre.


Fim da fila


Na decisão publicada na sexta-feira (27), a juíza Thaís argumenta que disponibilizar o dinheiro imediatamente poderia prejudicar “ou até mesmo inviabilizar” o rateio previsto pela ação coletiva. Por isso, só haverá disponibilização de dinheiro das ações individuais se sobrar algum após essa primeira fase. Nesse caso, será seguida a ordem cronológica de solicitação.


“Esta garantia [ os bens bloqueados na liminar ] goza de preferência sobre as demais, vinculadas a outros juízos. Sendo assim, deve-se aguardar o resultado da ação principal”, escreveu a juíza.


A juíza Thaís também reafirmou que os divulgadores que tinham conhecimento da ação coletiva e mesmo assim optaram por um processo individual devem pedir a suspensão desse último para participar do rateio coletivo. Do contrário, serão excluídos e ficarão para o fim da fila.



Palavras-chave | telexfree, justiça, pedidos, devolução, verbas, divulgadores

Comentários

comentário wellington - Servidor Público | 30/09/2013 às 18:28 | Responder a este comentário

Tenho uma Ótima notícia pra quem trabalha com MMN, A "POLISHOP" ENTROU NO MARKETING DE REDE! Esta mega Empresa atua no mercado há mais de 12 anos. Ela já vende mais de 100 milhões em produtos todos os meses São mais de 1,2 bilhão de reais de faturamento anual. Possui sede própria e lojas em 14 países, com mais de mil produtos maravilhosos e exclusivos, já distribuídos em 56 países. Tem um sistema próprio de TV e mais de 140 horas de propagandas em outras emissoras. Associe-se a rede de franquias polishop e participe dos lucros. Tenha uma estrutura grandiosa a seu favor, logística, cal center e etc. Você vai se surpreender!
Um abraço e sucesso sempre! Mais informações: www.sistemawinner.com.br/welligtonsj

réplica

comentário Robson Silva - Consultor | 01/10/2013 às 07:11 | Responder a este comentário

Amigão, pegando carona na desgraça de milhares de vítimas? Pelo que se vê, você é expert no assunto.

réplica

comentário Wellington Silva - Servidor Público | 11/10/2013 às 10:13 | Responder a este comentário

Complementando: O investimento inicial nesse negócio é de R$ 1.790 dividido em até 10 vezes, podendo usar até 3 cartões. E possível ter o retorno do investimento em menos de 3 meses, dependendo do esforço e dedicação do franqueado. Você lucra com a venda dos produtos que você naturalmente vai promovê-los em redes sociais, anúncios pela internet e mais ainda formando uma rede de lojas com seus parentes, amigos e pessoas que assim como você, estão procurando uma oportunidade igual a esta. Informações: www.sistemawinner.com.br/welligtonsj

réplica

comentário Wellington Silva - Servidor P?blico | 11/10/2013 às 10:16 | Responder a este comentário

Você conhece o o negócio comentado acima amigo? Parece que não. Procure conhecer primeiro depois faça comentário coerente. Abraço!

Deixe sua opinião!

Evite ofensas pessoais, o ofendido poderá localizá-lo através do IP de seu provedor.









O Jornal Jurid pertence à Jurid Publicações Eletrônicas