Autenticação do Usuário
E-mail
Senha
Esqueci minha senha

Ainda não tem seu Perfil Jurid??
Cadastre-se
Jornal Jurid
pesquisa

Terça Feira, 29 de Julho de 2014 | ISSN 1980-4288


Adolescentes recebem 'visita íntima' na Febem

Fonte | Globo Online - Segunda Feira, 06 de Fevereiro de 2006





A prática ilegal da visita íntima na Fundação Estadual do Bem-estar do Menor (Febem) rende frutos: bebês que já começam a engatinhar. Proibidos por lei, encontros amorosos dentro das unidades em São Paulo tornaram-se uma prática sem controle. Liberados por técnicos e funcionários, os internos fazem sexo sem proteção dentro da instituição. Pior: mesmo todos sabendo que garotas visitam os infratores para encontros íntimos, elas são proibidas de entrar nas unidades com preservativos. O resultado é gravidez indesejada e o nascimento da primeira geração dos filhos da Febem. Funcionários e mães de adolescentes disseram que há casos comprovados em pelo menos duas unidades: Vila Maria e Tatuapé.

Emily nasceu há dois meses. Quando ela crescer, deverá saber que foi gerada dentro da instituição. Seus pais-João, de 17 anos, e Sueli, de 21 (nomes fictícios)-decidiram, no futuro, contar para a menina que ela é fruto de uma visita íntima ilegal da mãe ao pai adolescente.

- É importante ela saber de onde veio - afirmou o pai.

João ficou na instituição um ano e um mês. Saiu na última quarta-feira e ficará em liberdade assistida por seis meses. Agora, além da dificuldade para encontrar trabalho, voltar a estudar e retomar a vida, ele ainda tem de assumir responsabilidades como pai.

- Fico triste em saber que ela foi gerada na Febem. Mas já que aconteceu, é bom que tenha bastante saúde - disse.

Augusta (também nome fictício) tem 28 anos e há um ano faz visitas íntimas ao namorado de 17 na Febem da Vila Maria, na zona norte. Ela disse que a única vez que tentou entrar na unidade com camisinha, teve que deixá-la na portaria.

- Estava no bolso de uma roupa que eu levava para ele. Pude entrar com a roupa, mas tive que deixar a camisinha. Se eles (funcionários) sabem que estou entrando lá para fazer sexo, deveriam permitir. Tem menina de 15 anos que vai lá também - conta.

A visita íntima é praticada na Febem há pouco mais de um ano. Segundo funcionários, é mais uma conseqüência do regime prisional que vem se instaurando na instituição desde o início de 2005. A presidência da instituição diz saber que esse problema existe. Segundo informa, há casos de meninas que visitam namorados e levam junto amigas, que se relacionam com outros internos.

A Febem diz orientar funcionários a trancar os quartos e manter internos no pátio nos dias de visita, e também se reúne com familiares para conscientizá-los sobre o problema.

Nas unidades, porém, as meninas não encontram dificuldade, dizem infratores e namoradas.

- Não é como antigamente. Hoje é só a menina chegar e ir direto para o barraco (quarto) da gente - contou João, que cumpriu a última medida na unidade da Vila Maria. Ele já tinha estado na Febem em 2003. As duas vezes por roubo.

- A prática está disseminada nos setores mais graves - disse Thales César de Oliveira, promotor de Infância e Juventude.

Segundo ele, o Ministério Público já instaurou procedimento e determinou que a Febem impeça a visita íntima. Ele ainda diz que o MP está colhendo informações de mães e adolescentes para decretar medidas legais. Uma delas é pedir afastamento de diretores de unidades que permitem os encontros.

- Não pode haver visita íntima na Febem.



Comentários

comentário Priscila F. Krieger - gerente | 07/02/2006 às 08:24 | Responder a este comentário

Realmente é lamentável termos filhos gerados dentro de um FEBEM, porém é ainda mais lamentável o poder público proibir a entrada de camisinhas. Tantas outras coisas são "permitidas" por que não incentivar a prevenção?

comentário emilly - sua profissão | 03/04/2012 às 21:02 | Responder a este comentário

eu acho que ja que pode tem visita vitima as namoradas menores pode entra também sem autorização dos pais

Deixe sua opinião!

Evite ofensas pessoais, o ofendido poderá localizá-lo através do IP de seu provedor.









O Jornal Jurid pertence à Jurid Publicações Eletrônicas